AS DIFERENÇAS DE NAIDE E DE NÉLSON

Foto:Sapo

Portugal testemunhou o duplo bloqueio mental de Naide Gomes. O segundo, após o inesperado afastamento da final do salto em comprimento nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando tudo parecia indicar que a valorosa atleta iria ganhar uma das três medalhas e, provavelmente, subiria ao pódio, escutando o Hino Nacional, já que era uma das favoritas ao ouro.

-Estou sem palavras. Nem consigo chorar… E olhando-lhe o rosto testemunhava-se o sofrimento e a desolação. Sofria a atleta e sofriam todos os que estavam com ela, quer em Pequim, quer espalhados pelo mundo. Portugal sentiu um banho de gelo percorrer-lhe a esperança.

Naide fez dois saltos nulos e no terceiro registou 6,29 metros, menos 83 centímetros do que o seu recorde nacional e melhor marca mundial do ano. A campeã do Mundo em pista coberta e detentora da melhor marca mundial do ano, com os 7,12 metros alcançados em 29 de Julho, no Mónaco, em Pequim ficou, apenas, no grupo das 12 primeiras classificadas.

Mas o primeiro bloqueio mental de Naide, para mim, que gosto de analisar o comportamento das pessoas antes dos grandes acontecimentos, fiquei de pé atrás quando a ouvi dizer:

Não prometo ganhar medalhas. Vou dar o meu melhor…

Na altura (via TV), senti que Naide, sem se aperceber estava a distanciar-se (no subconsciente) das medalhas e a programar-se, perigosamente, para dar, apenas, o máximo. Fez-me lembrar Cristiano Ronaldo quando, em Inglaterra, festejava a vitória dos muitos prémios que recebeu e dos êxitos do seu clube, dizia:

-No Euro 2008 não vou estar tão fresco assim. As minhas pernas já vão estar cansadas… E, como se viu, estavam! Não foi brilhante a sua participação, se pensarmos no valor que tem. Há meses que, involuntariamente, já tinha decidido mentalmente que ia estar cansado!

Hoje, Portugal sorriu, feliz, com a vitória de Nélson Évora, que deu a este povo -um pouco desanimado-, a primeira medalha de ouro (12 anos, após Atlanta) e prepara-se para, em peso, amanhã, testemunhar a Bandeira Nacional subir, lentamente, ao som do Hino Nacional. E vai fixar os olhos do atleta, tentando ler-lhe a Alma e ouvir o descompasso do bater de um coração emocionado. E a emoção já é muita.

Foi lindo o salto triplo de Nélson, que alcançou a marca de 17m67, no quarto ensaio, e não vacilou quando, ainda no segundo lugar, testemunhou a prova do britânico Philips Idowu, campeão mundial de pista coberta e de Leevan Sands, das Bahamas. Creio que um ou dois dias antes do grande dia, quando um jornalista focava o valor dos atletas concorrentes, Nélson, descontraído e seguro, disse que não se importava nada que os grandes nomes estivessem na disputa da prova:

-Ainda bem, só valoriza. Que venham todos, estou cá. Eu estou na melhor forma de sempre

Este era o programa mental do atleta: preparado para a vitória, desde que chegou a Pequim. Não se fragilizou perante a grandiosidade dos Jogos, dos adversários, aliás, pela sua expressão ( nas fotos que chegavam) via-se tranquilidade e confiança. E, assim, com valor e determinação o novo campeão olímpico português segue, feliz, as pisadas de Carlos Lopes, Rosa Mota e Fernanda Ribeiro. Ele saltou para o Infinito! Parabéns.

Eu gosto muito mais dos sonhos de amanhã do que da história do passado.
(Thomas Jefferson)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s