Archive for Setembro, 2011

VIVES NO RESPIRAR DO UNIVERSO

Flutuei nos Oceanos dos séculos para te reencontrar, e sempre que nos encontrámos voltaste a partir. Voaste, uma vez mais, como borboleta de asas partidas, embora vivas no respirar do Universo. Páro no tempo, olho-o perturbada e infinitamente na esperança de ver algo, sentir os espaços que dominas, acima dos meus ombros, dos meus olhos, do meu querer mas, apenas, fico suspensa na vertigem da procura.

Gostava de ser o teu sono, envolver-te sem inquietude nos meus braços como a onda que enleia no declinar das tardes de evasão. Gostava de testemunhar a calma doce do adormecimento do corpo nas escapadelas da Alma que voa rumo aos rumos que escolhe livre e misteriosamente.

Gostava de olhar-te no repouso tranquilo que te leva para caminhos novos por onde deambulas em guerras que desconheces, em aventuras que nunca viveste,  em vidas que não recordas. Gostava de ser o teu sono, guiar-te nos terrenos dos sonhos por onde vagueias sob chuva púrpura perto das estrelas que conheces quando elas se reflectem no mar.

Nestas viagens nocturnas raramente nos encontramos. Podíamos unir os sonhos e ficar parados no deambular dos séculos mas não! Cada um tem o seu espaço e vivemos sonos com a suavidade dos adormecidos. Acordada, quando te vejo sorridente, a olhar-me, aí, penso em tudo menos em ser condutora de sonhos.

Flutuei nos Oceanos dos séculos para te reencontrar, e sempre que nos encontrámos voltaste a partir. Voaste, uma vez mais, como borboleta de asas partidas, embora vivas no respirar do Universo que, por vezes, nos deixa matar saudades num abraço imenso e profundo quando, voando, deslizamos por aí, no nascer das madrugadas. Já vivemos tantas vidas e nunca perco a saudade do teu abraço forte e do mar azul dos teus olhos de cristais, janelas abertas como arco-íris espelhado no meu rosto.

O coração abrirá por si mesmo. Não se preocupe com o coração. Faça o trabalho
preparatório

(OSHO)

Anúncios

2012 – A MUDANÇA DAS ERAS

Quando se diz que a Humanidade chegou a um período de transformação, e que a Terra deve elevar-se na hierarquia dos mundos, não sinta nestas palavras nada de místico, mas, ao contrário, a realização de uma das grandes leis  do Universo, contra as quais se quebra toda a má vontade humana. De acordo com os Maias e os Astecas o Sexto Ciclo do Sol é para começar em 21/12/2012. Este Ciclo é também conhecido como a Mudança das Eras.

Conforme as suas previsões é para ser o início de um ciclo que é baseado na harmonia e no equilíbrio. A Humanidade e o planeta Terra estão a passar por uma grande mudança ou mudança na percepção da consciência e da realidade . A civilização Maia na América Central é a mais avançada em relação ao conhecimento da ciência do tempo. O seu calendário principal é o mais preciso do Planeta.

Os Maias têm 22 calendários no total, que abrangem muitos ciclos de tempo no Universo e no Sistema Solar. Alguns desses calendários ainda não foram revelados. O Quinto Mundo Maia terminou em 1987. O sexto mundo começa em 2012. Portanto, estamos atualmente entre mundos. Este tempo é chamado de Apocalipse ou revelando. Isto significa que a verdade será revelada. É também o momento de transformações individuais e colectivas.

O Sexto Mundo Maia está em branco. Isto significa que cabe a nós, como co-criadores, começar a criar o novo mundo e a civilização que queremos. Os Maias também dizem que em 2012 teremos ido além da tecnologia como a conhecemos. – Teremos ido além do tempo e do dinheiro.  Teremos entrado na quinta dimensão depois de passar pela quarta.

À medida que caminhamos pela quarta dimensão, efectuando a  nossa transformação íntima, vamos experimentando uma mudança na consciência. A quarta dimensão é mais um estado de espírito do que um lugar real. O Planeta Terra e o Sistema Solar entrarão em sincronização galáctica com o resto do Universo.  O nosso DNA sofrerá um upgrade (será reprogramado) do centro de nossa galáxia. Em 2012, o plano do nosso Sistema Solar vai alinhar exactamente com o plano da nossa galáxia, a Via Láctea. Este ciclo levará 26 mil anos para se completar.

Virgil Armstrong diz ainda que duas outras galáxias se alinharão com a nossa, ao mesmo tempo. Será um evento cósmico! O tempo está realmente acelerando (ou entrando em colapso). Tempo no entanto não existe – apenas o agora existe. Por milhares de anos, a Ressonância Schumann (um conjunto de picos do espectro do campo eletromagnético) foi 7,83 ciclos por segundo. No entanto, desde 1980 essa ressonância vem subindo lentamente. Agora está em mais de 12 ciclos por segundo! Isso significa que há o equivalente a menos de 16 horas por dia em vez das antigas 24 horas. É por isso que o tempo parece  correr rapidamente.  Não é tempo, mas a própria Criação, que se está a acelerar.

Durante o Apocalipse ou o tempo entre mundos muitas pessoas passarão por marcadas mudanças pessoais. As mudanças serão muitas e variadas. Isso faz parte daquilo que temos de aprender ou experimentar. Lembre-se, em dado momento, estamos a fazer decisões grandes e pequenas. Cada decisão é baseada em amor ou medo. Escolha amar, siga a sua intuição, e não o intelecto. Siga o seu coração, o seu desejo ardente interior. Vá com o fluxo.

As formas-pensamento são muito importantes e afectam a nossa vida quotidiana. Nós criamos a nossa realidade com formas de pensamento. Se tivermos pensamentos negativos dos outros é isso que atraímos. Se tivermos pensamentos positivos, vamos atrair pessoas e eventos positivos. Portanto, esteja ciente dos seus pensamentos e elimine os desnecessários, os negativos ou os de julgamento. Seja exigente com os sentimentos e as informações que processa e trabalha, no sentido de curar o Planeta e a si mesmo. Seguindo o calendário Maia, esta fase entre mundos pode-nos ajudar na libertação do círculo do tempo e do dinheiro, para liberar as nossas mentes e abrir o caminho para a Nova Era, para além da dimensão física.

A época actual é de transição; os elementos das duas gerações confundem-se. Colocados no ponto intermediário, assistimos à partida de uma e à chegada da outra, já se assinalando cada uma, no mundo, pelas características que lhes são peculiares. As duas gerações que se sucedem têm idéias e pontos de vista opostos. Pela natureza das disposições morais, e, sobretudo, das disposições intuitivas e inatas, torna-se fácil distinguir a qual das duas pertence cada indivíduo. Cabendo-lhe fundar a era do progresso moral, a nova geração  distingue-se pela inteligência e razão geralmente precoces, aliadas ao sentimento inato do bem e a crenças espiritualistas, o que constitui sinal indubitável de certo grau de adiantamento anterior.

Não se comporá de Espíritos eminentemente superiores, mas dos que, já tendo progredido, se acham predispostos a assimilar todas as idéias progressistas e estejam aptos a secundar o movimento de regeneração (recebido por e-mail, sem referenciar o autor).

Não procures a verdade fora de ti, ela está em ti, no teu ser. Não procures o conhecimento fora de ti, ele te aguarda na tua fé interior. Não procures a paz
fora de ti, ela está instalada no teu coração. Não procures a felicidade fora de ti, ela habita em ti desde a eternidade

 (Mestre Khane)


NÃO TENHO ASAS PARA TANTO PARAÍSO

(…) Não era tristeza. Era um vazio. Os tristes têm um céu. Cinzento, mas céu. Os desesperados têm um deserto. Meu pai olhava para trás: era mais o esquecido que o vivido. O que não lembrava era porque se esquecera de viver? Ou tudo tinha ficado lá, na mina que desmoronou? Quando se cruzava comigo, de pijama, a meio do dia, meu pai se justificava: – Sua mãe quer que eu faça dessas coisas que criam alma na pessoa. Só que ela não entende: se eu estou vivo é porque não tenho alma nenhuma. E agora, olhando-o sob aquele estilhaçado luar, me pareceu que meu pai não era senão poeira entre poeiras de Lua

(…) Como ele sempre dissera: o rio e o coração, o que os une? O rio nunca está feito, como não está o coração. Ambos são sempre nascentes, sempre nascendo. Ou como eu hoje escrevo: milagre é o rio não findar mais. Milagre é o coração começar sempre no peito de outra vida (…) (M.C.) – A Chuva Pasmada

Diante do amor, ela arrepiou o coração: não tenho asas para tanto paraíso

(Mia Couto)


NAS DIMENSÕES SEM PALAVRAS

Pára, pára. Descontrai e tenta vencer esses tremores que te estão a contrair os músculos, as articulações, todo o corpo. Há mais de quatro horas que estás assim, não podes. É perigoso, a contracção permanente dos músculos da garganta podem causar-te danos irreversíveis. Sossega, tenta acalmar-te. Estás a passar por uma fase de hipotermia, encontrei-te desmaiada pelo espaço dos teus sonhos e respondi ao chamamento. Aqui estou: sou o teu herói, enviado pelos deuses.

-Só acredito em Deus e não chamei por ninguém, nesta altura nem sei o meu nome, podes crer.

Pois é, em certas dimensões as palavras são desnecessárias, o pensamento tem a força delas, é dialogante. Não chamaste, é verdade mas, pensaste!

-Nesta tremedeira achas que me ia lembrar fosse de quem fosse?

Tenho a certeza, lembraste-te de mim. Com intensidade. Sabes, há muitos heróis no espaço circundante da Terra a navegarem no mundo dos sonhos dos humanos. Há heróis, há anjos, espíritos de Luz, nem te passa pela cabeça a movimentação que existe mantida pela imaginação dos habitantes deste Planeta. Não páras de tremer, a situação não se me afigura nada boa. Ultrapassaste as cinco horas e estás com um aspecto péssimo.

-Pensava que os heróis eram galantes.

Até podem, mas os heróis são salvadores.

-Então o que te faz esperar? Parece que estou num mar de gelo e não consigo reagir, não sei o que fazer. Não consigo falar e já me custa respirar.

Eu sei, vou tratar de ti, vou ajudar-te, vou retribuir a admiração que tens por mim.

-E tu a dar-lhe, então vou “chamar” um herói com milénios de vida! Podias vir mais vestidinho, não achas? Nem sei se realmente exisististe!

-Cápua chamou-me herói, o que fez chover, o que salvou da fome e da miséria. E estas roupas retratam, apenas, uma época.  Mas, nada de diálogos, não foi para isso que te encontrei, foi para dar a minha força a um corpo enfraquecido. Tenta descontrair os músculos, respira fundo. Vou deitar o meu corpo em cima do teu e vou entrelaçar-te nos meus braços. Vou colocar a minha boca no espaço das tuas sobrancelhas (um local dos deuses) a minha força, o meu calor, passarão para todas as fibras do teu corpo e, dentro em breve, a tranquilidade regressará a ti. Não precisas de falar, diz sim ou não com a cabeça. Sentes o meu corpo? Não, é natural. Sentes as minhas mão cruzadas nas tuas costas? Bom sinal, começas a reagir. Sentes a energia dos meus lábios na tua testa? Óptimo, mais duas horas e estarás bem. Faz o que te digo. Não te mexas, faz o que te digo, passa o teu frio para o meu corpo, ele absorve-o e converte-o em calor que emana para o teu….Bom, estamos quase nas duas horas, já não tremes e, pelo menos, não estás gelada. Vou ficar contigo aqui até estares bem; entretanto, adormecerás e quando acordares eu não passarei de uma lembrança confusa na tua memória. Como herói estou grato por me dares vida. Suponho que também o estejas pelo calor do meu corpo que aqueceu o teu e te ajudou a superar uma difícil situação. Estarei sempre contigo, sempre que me lembrares. Consegues responder? Como te chamas?

-Sura

Soube neste preciso momento que Andy Whitfield, actor britânico que protagonizou Spartacus, morreu no passado dia 11, com 39 anos, na Austrália. Um texto ficcionado (esboçado no dia 14!!!) tornou-se numa sentida homenagem póstuma

(Maria Elvira Bento)


PARABÉNS ANGOLA. LEILA É MISS UNIVERSO

A mulher mais bonita do mundo, é a designação que o Concurso Miss Universo confere à vencedora do prestigiado certame. A 60ª edição, realizada em S.Paulo (Brasil), fez desfilar jovens lindíssimas, oriundas de todos os Continentes com o propósito de levar para os seus países a vitória do sorriso, a coroa e o título de vencedora.

Coube a Leila Lopes de 25 anos, natural de Benguela (a cidade das acácias rubras), apesar da timidez que diz caracterizá-la, conseguir a difícil proeza de vencer todas as concorrentes (88). E, assim, a jovem estudante (em Inglaterra) de Gestão de Empresas, deixou Angola ao rubro ao conquistar, sorrindo, o título de Miss Universo 2011.

De certa forma, a minha vida acaba de mudar. Vou precisar de Deus e de ter os
pés bem assentes na Terra

(Leila Lopes)