O COLECTIVO SINAL DE SOLIDARIEDADE

64126_517681408270068_1271744777_n

Vale a pena refletir sobre o que realmente levamos desta vida e por quem vale a pena lutar.

*

Uma jovem militar iniciou o curso na GNR. Durante o curso descobre que tem uma doença oncológica. A estrutura de Comando rapidamente lhe manifesta o apoio incondicional em tudo o que ela necessitar. Um superior hierárquico é autorizado/voluntaria-se para a acompanhar nas consultas mais críticas e nos tratamentos de quimioterapia. Inevitavelmente o cabelo começa-lhe a cair e vê-se na contingência de ter que o cortar a passar a usar um lenço na cabeça.

Ontem, a jovem militar preparava-se para sair para mais uma sessão de quimioterapia. O pelotão a que pertence encontrava-se formado, numa ponta da parada, a fazer operações de segurança na Espingarda G3, antes de iniciarem mais uma sessão de Tática. Mesmo à distância, a jovem repara que, secretamente, na tarde/noite anteriores os seus camaradas tinham rapado o cabelo das respetivas cabeças, num sinal surdo de solidariedade. Um Oficial Superior aproxima-se do Pelotão. Conhecendo antecipadamente a razão, questiona, em voz bem alta, o chefe de turma, sobre o motivo pelo qual os militares do seu pelotão não tinham o cabelo regularmente cortado. O mesmo justificou-se com a palavra camaradagem (o sinónimo dos civis para solidariedade).

Em voz alta e de frente para o pelotão, o Oficial explica a gravidade de os regulamentos não serem cumpridos, principalmente quando tal é feito de forma concertada. Em voz mais baixa e de costas voltadas para o pelotão, o mesmo Oficial enaltece o acto altruísta e de profundo partilhar da dor com uma camarada que tanto apoio necessita. Alguém sábio recentemente afirmou que os Regulamentos não são Leis. Como tal nem sempre devem ser cumpridos cegamente e em todas as situações. Se assim fosse tinham-lhe dado a designação de “Cumprimentos” e não de Regulamentos”.

Sendo assim… e assim sendo…A vida deve ser vivida momento a momento. Dizem que é por isso que as pessoas lhe chamam de “Presente”, ou seja uma oferta, uma dádiva que deve ser saboreada em cada segundo, em cada minuto e à medida que vai acontecendo. A atitude ontem tomada por aquele Pelotão pode ser inútil e inconsequente. No entanto, pelo menos para uma jovem militar, foi um grande contributo para vencer mais uma batalha que a vai levar a, no final, ganhar a sua guerra pessoal contra a doença. (Ricardo Lisboa – Foto SMD- site: Paula Ferreira e Alice Nazareth)

Tudo que somos surge com os nossos pensamentos. Com eles, nós fazemos o mundo

(Buda)

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s