O MEDO ATORDOA A LUCIDEZ

1379206_10201777511854077_119743347_n

Por vezes somos levadas a dizer: Ah! A Carminho é uma mulher sem medo, a Berta nem se fala! O Coutinho é audaz a tempo inteiro e o Gustavo é um destemido, um temerário. Errado. Nenhum dos citados é isento da sensação de medo porque ela faz parte da sensibilidade humana. Já testemunhei a palidez mortal de pára-quedistas, à porta do avião, na altura do lançamento; todavia, dado o passo para o vazio, venciam o temor. Vi homens nas linhas da frente, nos combates em Angola, na Guiné, e o pânico estava lá, no coração, nos nervos, na alma. Mas, a partir do momento em que intervinham, modificavam-se.

Testemunhei o pavor de alguns toureiros antes de pisarem as arenas- o que me apetecia era fugir daqui para fora-, desabafou, um dia, um nome de cartaz, horas antes de entrar no redondel. Horas depois, nos médios, levou a praça ao rubro. Vestido de seda e ouro, era a imagem da coragem.

Ao lado de pilotos da Fórmula I, testemunhei como se concentravam em verdadeiros exercício de profunda interiorização, antes de se sentarem nos seus bólides (já noutra dimensão) e conseguiram vitórias estonteantes. Estive com 12 leões, ao lado do maior domador da época, o espanhol Angel Cristo, e não sei quem é que fechado na jaula teve mais medo. Quase que apostava que era ele porque eu, numa mescla de inconsciência e pânico, entrei em piloto automático, não encontrei espaço para pensar!

O medo existe tanto nos que na vida têm profissões de alto risco como nos que, pacatamente, apanham comboios e se preparam para um dia-a-dia sem sobressaltos. O medo está com a mãe prestes a dar à luz, com a jovem que deixa pela primeira vez a casa de seus pais ou com aquela que enfrenta uma separação inesperada! Só que todas elas, chegado o momento de enfrentarem os seus pavores, recorrem, por vezes sem se aperceber, à fonte da força interior e dão o passo em frente. Cada ser humano encerra em si uma força imensa, poderosa; só que, por vezes, é esquecida. (Maria Elvira Bento)

 

Há os que se queixam do vento. Há os que esperam que ele mude e há os que os preparam as velas
(Regina Brett)

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s